segunda-feira, 10 de outubro de 2016

TERRA ZERO

Boa noite,

Esse é o primeiro planeta que Adam visita. Tecnicamente o segundo, porque pousam na lua Alcebíades. O propósito seria uma sociedade ultra capitalista. Eu flertei com a ideia de transformar a Terra num repositório técnico de humanos e esse ser o primeiro planeta com vida, com características realmente humanas entre erros e defeitos. O local mais próximo que me lembra era a cidade do filme IA-Inteligência Artificial. Mas ao longo do que fui desenvolvendo muita coisa mudou.
Tudo começou com uma igreja católica que tem perto de onde eu moro. O meu bairro tem mais igreja que fiéis. E todas elas parecem um cassino. E a ideia de uma igreja-cassino foi todo o driver para esse capítulo. Não que eu seja religioso, mas para mim parece que o grande filão dessas igrejas do meu bairro é competir entre si para ver quem ganha num campeonato de humildade. Mas de forma nenhuma quis oferecer uma crítica moral e tentar moralizar as igrejas, nem que fosse as do meu bairro, mas pelo contrário acho que esse é o futuro, a verdadeira evolução deste mercado.
Eu ia ser mais agressivo, mas amigos talvez tenham me influenciado sem que eu tenha percebido. Mas o que uma igreja tem de diferente de um cassino? A casa não sempre ganha em cima de uma ilusão? E porque oferecer uma só? No futuro a tecnologia poderá oferecer todas. Eu gostei especialmente das maquinas caça-níquéis religiosas.
A grande dificuldade era porque ele quereria quebrar tudo. (Spoiler) No fundo seria por causa da saudade de Bastian, mas não é a hora do leitor saber disso mas desconfiar, então teria que haver uma provocação. Esta provocação ficou difícil para que eu a achasse.
Por outro lado eu precisava posicionar dois eventos: O reencontro com Christine e a herança de Bastian. Então achei que os dois eventos por si só teriam a relevância para o livro. Então abandonei essa confusão, o cassino seria apenas um lugar importante da cidade que por isso teria o suporte para a herança de Bastian.
A herança de Bastian também foi descrito com exaustão. Mas obviamente cortei.
Christine manteve seu papel, de tentar desviar o caminho de Adam, mas muito menos agressivamente.
Por final eu percebi nas primeira versões eu só falei da parte alta da cidade. Bem pouco da descrições de quem trabalhava na cidade. Numa alusão acidental aos Elóis e Morloks. Então quis ir até a Muralha e mostrar que a vida de quem estava lá além de ser com propósito era feliz e produtiva, então a diferença e valor das sociedade estava mais na percepção de quem habitava aonde. O que agora percebo outra alusão acidental ao Admirável Mundo Novo.
Acho que de todos os planetas que Adam visita, Terra Zero é o que tem mais potencial para ser explorado e o único que eu pensei em mais histórias.
Por último só gostaria de dizer que o nome que uso menos e é o nome oficial do planeta, Terra Nova, foi escrito antes da série de TV de mesmo nome que alias nunca assisti. Não quero me defender ou mesmo ficar ofendido, só quero registrar esse fato.

Abraços.

Nenhum comentário:

Postar um comentário